Os juros futuros continuaram hoje seu movimento de queda, iniciado ontem. A taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) de janeiro de 2008, o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), fechou em 15,72% ao ano, contra os 15,96% de ontem.

A queda nos juros futuros ocorreu em linha com o comportamento do mercado norte-americano e também refletindo a decisão de ontem do Comitê de Política Monetária (Copom), que reduziu a taxa de juros básica da economia (Selic) em 0,50 ponto porcentual, dentro do esperado.

Apesar de a ata do Federal Reserve (banco central dos EUA), divulgada ontem, não ter permitido conclusões sobre uma nova elevação do juro norte-americano ao final do mês ou uma interrupção da alta, alguns indicadores dos EUA colaboraram nesta manhã para aliviar pressões, como o número de pedidos de auxílio-desemprego (que subiu, contra previsão de queda), e o índice de atividade nacional dos gerentes de compras de maio (que caiu mais que o previsto).

Além disso, a queda nos juros futuros domésticos foi acentuada ao longo da tarde, motivada pelo leilão bem sucedido de títulos públicos prefixados e pela desaceleração da cotação do dólar.