O mercado de juros teve um dia típico de segunda-feira, com liquidez fraca e baixa oscilação de taxas. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), com vencimento em janeiro de 2008, fechou em baixa, projetando taxa de 14,51% ao ano, ante 14,54% ao ano de sexta-feira.

No exterior, as bolsas de Nova York operaram em queda e o petróleo subiu quase 3%, por causa da interrupção das atividades de um dos mais importantes campos de exploração de petróleo do Alasca. Mas, no Brasil, o dólar caiu durante a maior parte do pregão, o que contribuiu para os juros também recuarem.

Como amanhã é dia de reunião do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), que definirá se muda ou não a taxa básica de juros norte-americana, este é outro motivo para o mercado doméstico de juros manter o compasso de espera. Prevalece a expectativa de pausa no ciclo de alta dos juros dos EUA, mas os mercados estão ressabiados com o risco de a desaceleração da atividade norte-americana ser mais forte do que o desejável. Isso aumenta as expectativas em relação ao comunicado que será divulgado ao final da reunião.