Sorocaba (AE) – O líder do Movimento dos Sem-Terra (MST) José Rainha Júnior foi libertado hoje (15) à noite depois de 9 dias de prisão no Centro de Ressocialização de Presidente Prudente, no Pontal do Paranapanema. A ordem de soltura foi dada pela juíza Adriana Nolasco da Silva, do Fórum de Mirante do Paranapanema, a mesma que mandara prender o líder, acusado de crimes de formação de quadrilha, furto e danos durante a invasão da fazenda Santa Cruz, em Mirante do Paranapanema, em junho deste ano. A juíza revogou também os mandados de prisão contra o coordenador estadual do MST, Paulo Albuquerque, e os líderes Márcio Barreto, Edna Torrioni e Manuel Messias Duda, que estavam foragidos. A magistrada entendeu que os réus podem responder aos processos em liberdade.

Ao deixar a penitenciária, Rainha disse que o "pesadelo" tinha acabado. Em seguida, elogiou o tratamento recebido na unidade, que considerou "a melhor" em que já estivera. Essa foi a terceira prisão do líder dos sem-terra nos últimos três anos. Rainha negou que tivesse feito acordo com o Ministério Público para suspender a onda de invasões que prometera realizar no Pontal. No entanto, admitiu que as ações dependem da coordenação nacional do MST. O líder seguiu de carro, na companhia da mulher Diolinda Alves, e do filho mais velho, João Paulo, para a casa, em Teodoro Sampaio.