O deputado João Caldas (PL-AL) disse que o presidente da Câmara vai tomar uma decisão em 72 horas. "Só tem duas hipóteses agora: renunciar à presidência e defender o mandato ou renunciar a tudo".

Segundo o deputado, Severino não quer se afastar do mandato de deputado para enfrentar as acusações. No entanto, segundo João Caldas, essa decisão não tem apoio do partido nem dos familiares do presidente da Câmara.

O empresário Sebastião Buani, dono do restaurante Fiorella, apresentou hoje à Polícia federal cópia do cheque de R$ 7,5 mil, nominal a Gabriela Kênia Martins, secretária do presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (PP-PE), pago em 30 de julho de 2002.

Buani disse que entregou o documento pessoalmente a Severino, no próprio restaurante, quando ele era primeiro-secretário da Casa. A quantia teria sido paga como propina para a prorrogação da concessão do restaurante de Buani na Câmara.