Os acontecimentos no Oriente Médio apontam para um amplo acordo de paz entre Israel e o mundo árabe pela primeira vez em décadas disse o chefe das Relações Exteriores da União Européia, Javier Solana. "A Liga Árabe pela primeira vez em muitos anos assumiu a responsabilidade de ser mais ativa no processo de paz", disse Solana. "Se juntarmos isso à reação do primeiro-ministro (israelense) Ehud Olmert, as coisas começam a construir a dinâmica que pode levar à superação da crise que está com nós há anos.

Os ministros das Relações Exteriores da União Européia (UE) prometeram trabalhar com os moderados no governo palestino, ao mesmo tempo que disseram que os eventos na região, pela primeira vez em anos, fizeram crescer as esperanças de uma paz ampla entre Israel e o mundo árabe. A esperança dos europeus vem do relançamento da iniciativa de paz de 2002 na cúpula da Liga Árabe realizada esta semana em Riad, na Arábia Saudita.

Os europeus enfrentam o dilema sobre como lidar com o recentemente formado governo de unidade palestino, uma coalizão entre o militante islâmico Hamas e o mais moderado Fatah, do presidente Mahmoud Abbas. Sua plataforma não contempla as demandas internacionais de reconhecimento de Israel, renúncia à violência e obediência aos acordos existentes entre palestina e Israel. Hoje, os europeus concordaram que vão julgar o novo governo por suas ações, mais do que por suas palavras e progressivamente ajudar a construir instituições governamentais confiáveis.