Técnicos do Instituto de Pesos e Medidas do Paraná -Ipem iniciaram um trabalho de verificação dos botijões de GLP (gás de cozinha) comercializados na Região Metropolitana de Curitiba. O objetivo é verificar as condições das embalagens e a relação entre o peso anunciado e o que realmente está sendo comercializado.

Num primeiro estágio, que está sendo realizado agora, os técnicos visitam os postos de revenda, onde separam cinco unidades de cada lote. Caso seja constatada alguma irregularidade no exame prévio, o revendedor é convidado a acompanhar a análise definitiva, que é feita pelos técnicos do Ipem no próprio local de comercialização.

“Nesta ação, além do produto GLP especificamente, também é verificada a legibilidade da tara gravada no recipiente, uma informação para o consumidor realmente ter a certeza de estar levando a quantidade certa de gás para casa” – explica Sérgio Camargo, gerente de pré-medidos do Ipem em Curitiba.

Com o uso contínuo do botijão e as várias recargas -lembra Camargo -, a especificação da tara gravada em alto relevo tende a se apagar ou é coberta por uma tintura quando são recuperados. “Por isso, é sempre bom alertar que o peso total do botijão deve ser de ser 28 quilos, dos quais 13 quilos são de GLP.”

Numa segunda etapa de trabalho, os técnicos estarão verificando botijões de GLP em sua origem, nas empresas de envasamento, que se localizam em sua maioria em Araucária. Esta operação está prevista para estender-se até o dia 16. As irregularidades constatadas nos produtos comercializados podem resultar em autuações ou multas.