O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão do Ministério do Planejamento, reviu para cima o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), do país, que deverá expandir este ano 3,5%.

A nova previsão é maior que a anterior, que era de crescimento de 2,8%. A revisão consta do Boletim Trimestral de Conjuntura de setembro, que o Ipea está divulgando hoje, no Rio de Janeiro. Para 2006, a previsão do Ipea é de que o PIB ? a soma de todos os bens e serviços produzidos no país ? cresça ainda mais: 4%.

Na avaliação do Ipea, a agropecuária deverá crescer 3,2%, contra os 3,4% das previsões do boletim anterior; enquanto a indústria expandirá 4,9%, contra os 3,7% do boletim de junho; já o setor de serviços terá um incremento de 2,1%, contra 2,0% da previsão anterior.

Os números indicam que o consumo privado deverá fechar o ano com expansão de 3,4%, contra os 3,8% de antes, mas em contrapartida o consumo do governo deverá ser ainda maior: de 1,0% para 1,8%.Os dados projetam, ainda, que as exportações de bens e serviços deverão crescer este ano 11%, em relação ao PIB, contra os 9,4% da projeção de junho ? revisado, o saldo da balança comercial passou de US$ 35,3 bilhões para US$ 39,1 bilhões.

Na avaliação do Ipea, extraída do Boletim, "o crédito deverá continuar em expansão já que a inadimplência não tem crescido, a expansão da massa salarial deverá ser beneficiada pela queda da inflação, a política monetária está no limiar de um ciclo de afrouxamento e a taxa de investimento deverá continuar a crescer, ainda que lentamente".