As projeções de mercado para o IPCA de 2005 ficaram estáveis em 5,68% em pesquisa semanal do Banco Central divulgada hoje. Há quatro semanas as expectativas de IPCA para este ano estavam em 5,53%. O porcentual projetado na pesquisa divulgada hoje é superior ao objeto de 5,1% perseguido pelo Copom. Apesar disso, o porcentual é inferior ao teto do intervalo de tolerância de 2,5 pontos porcentuais na meta central de inflação de 4,5% fixada pelo Conselho Monetário Nacional para 2005.

A pesquisa do BC registrou ao mesmo tempo uma queda das estimativas de IPCA para este ano das instituições top five, de 5,73% para 5,70% no cenário de médio prazo. Há quatro semanas estas projeções estavam em 5,46%. Para 2006, as previsões de variação do IPCA ficaram inalteradas em 4,50%, porcentual que corresponde à meta central fixada pelo CMN para 2006. Há quatro semanas estas projeções estavam em 4,55%.

As estimativas suavizadas de IPCA em 12 meses à frente caíram, por sua vez, de 4,49% para 4,46%. Esta foi a quarta redução consecutiva destas projeções, que estavam em 4,65% há quatro semanas atrás. As previsões de IPCA para este mês de dezembro ficaram estáveis em 0,35%. Para janeiro de 2006, as estimativas de IPCA também não mudaram e prosseguiram em 0,40% pela quarta semana consecutiva.

As previsões de reajuste dos preços administrados este ano aumentaram de 8,45% para 8,68%. Essa foi a segunda alta seguida destas previsões, que estavam em 8% há quatro semanas. Para 2006, as expectativas de reajuste dos administrados ficaram estáveis em 4,50% pela segunda semana seguida. Há quatro semanas estas previsões estavam em 4,70%.