Rio de Janeiro – Voluntários, atletas, dirigentes, integrantes de comissões técnicas, pessoal de apoio e profissionais de imprensa que vão participar dos Jogos Pan-Americanos serão investigados pela Interpol e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública. O objetivo é identificar entre os participantes pessoas com antecedentes criminais ou possíveis terroristas.

Segundo o coordenador geral das ações de segurança do Pan, Hilário Medeiros, caso algum dos voluntários apresente antecedentes criminais, a secretaria intervirá, cancelando seu trabalho durante o evento. "A restrição é bem clara. Se algum dos investigados apresentar impedimento legal, nós tomaremos providências, e essa pessoa não poderá trabalhar durante os jogos", explicou.

Medeiros disse que a expectativa é ter tais dados em mãos em 15 dias. Mesmo sem acesso aos antecedentes criminais, a comissão de organização do Pan deu início ao treinamento dos pré-selecionados para o voluntariado. Quarenta e sete mil
voluntários terão suas fichas passadas a limpo pela Secretaria Nacional de Segurança Pública.

Duzentos funcionários da secretaria são responsáveis pelo levantamento da situação dos candidatos em todos os órgãos de segurança pública, além da checagem dos dados pessoais.