Um sistema integrado de transporte coletivo que permite ao passageiro rodar 70 quilômetros pagando a tarifa única de R$ 1,90 é um dos principais responsáveis para a ausência de transporte alternativo de vans e kombis na região metropolitana de Curitiba. A avaliação é do presidente da empresa Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), Paulo Afonso Schmidt.

Os investimentos na modernização da frota, os corredores de ônibus e a fiscalização rigorosa, acrescenta Schmidt, são outros fatores que desestimulam esse tipo de transporte na região.

A cidade tem hoje 1,9 mil ônibus, que circulam por 309 linhas e atendem a cerca de 2,3 milhões passageiros. A frota de veículos a passeio é de 963 mil veículos em uma população de aproximadamente 1,7 milhão de habitantes.

?São tantos carros rodando pela cidade que uma viagem com van, por exemplo, seria muito demorada. Por causa dos corredores, os ônibus são rápidos?.

Ele cita, ainda, a criação da tarifa dominguera de R$ 1,00, que uma demanda 40% maior pelo sistema de transporte aos domingos.