O INSS demitiu hoje seis funcionários que fraudavam o Instituto. Cinco deles trabalhavam na agência em Irajá, no Rio de Janeiro, e um outro em Belo Horizonte. Somente neste ano, o ministro da Previdência Social, Ricardo Berzoini, já assinou a demissão de 27 servidores do INSS.

As fraudes praticadas contra o Instituto pelos cinco funcionários do Rio de Janeiro foram descobertas a partir de agosto do ano passado, quando a agência em Irajá sofreu uma intervenção. Uma Missão de Auditoria Geral (Mager) foi constituída para analisar distorções na concessão de benefícios.

Logo no início do trabalho, o responsável pela Mager, Manuel Alano, notou sérios indícios de fraude e começou a confirmar a veracidade dos documentos de mais de seis mil benefícios que haviam sido concedidos na agência em Irajá.

Mais de três mil benefícios eram fraudulentos e já foram suspensos. Antes de chegar aos servidores envolvidos na fraude, a auditoria teve de fazer um minucioso trabalho de comparação entre as características dos benefícios pagos e os documentos que embasavam a solicitação de auxílios, pensões e aposentadorias, como tempo de serviço numa determinada empresa, documentos que comprovariam a concessão de um auxílio-doença e certidões de óbito, para o pagamento de pensões. O funcionário de Belo Horizonte foi demitido por fraudar concessões.