O presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeronáutica (Infraero), brigadeiro José Carlos Pereira, admitiu, durante audiência pública no Congresso, que o setor enfrenta problemas também de insuficiência no número de controladores de vôo. Dos 67 aeroportos administrados pela Infraero, 20 operaram com controladores civis durante a crise. Embora sejam funcionários da empresa, todos são subordinados ao comando da Aeronáutica, responsável pelo controle do espaço aéreo. "Não há risco para a segurança de vôo, mas estamos no limite", disse o brigadeiro. No início do ano que vem, 40 novos controladores começarão o curso de formação. Mas, segundo o presidente da Infraero, eles só poderão começar a trabalhar em março de 2008.

O brigadeiro Ramón Borges Cardoso, que representou, na audiência pública, o comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), brigadeiro Luiz Carlos Bueno, afirmou que o centro de controle aéreo de Brasília (Cindacta-1) já opera dentro da normalidade. "Ainda não é o ideal, pois o ideal é que qualquer aeronave possa voar em qualquer horário, mas a situação está-se normalizando", disse o militar.