O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) subiu 0,38% na semana até o dia 22, ante aumento de 0,45% na semana até o dia 15, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que esperavam uma taxa entre 0,33% a 0,44%.

De acordo com a fundação, a desaceleração da taxa do IPC-S no período foi causada, principalmente, por elevações de preços menos intensas nos preços de Alimentação (de 0,89% para 0,47%) e Despesas Diversas (de 0,31% para 0,30%).

No mesmo período, os preços subiram mais em quatro das sete classes de despesa usadas para cálculo do índice. É o caso de Habitação (de 0,30% para 0,35%); Vestuário (de 0,79% para 0 90%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,41% para 0,51%) e Transportes (de 0,25% para 0,35%). Por fim, o grupo restante, de Educação, Leitura e Recreação, permaneceu com a mesma taxa de variação no período (de -0,14%).

A FGV analisou ainda a movimentação de preços no âmbito dos produtos. As altas de preço mais expressivas foram registradas em batata-inglesa (36,3%); gasolina (0,89%) e plano e seguro saúde (0,71%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apresentadas por tomate (-10,93%); cenoura (-22,36%) e show musical (-4,23%).