O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a inflação entre a população idosa, subiu 1,57% no primeiro trimestre deste ano, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado é superior ao registrado no quarto trimestre de 2006, quando o IPC-3i teve alta de 0,86%. No primeiro trimestre do ano passado, o índice de custo de vida da terceira idade tinha aumentado 0,82%.

No período de 12 meses (abril de 2006 a março deste ano), o IPC-3i acumula alta de 3,03%, superior à apresentada pelo IPC Brasil, que mede a inflação no varejo em todas as faixas etárias e subiu 2,71% no mesmo período.

De acordo com a fundação, a classe de despesa que mais contribuiu para a alta do indicador no trimestre, entre as sete pesquisadas, foi a de Alimentação – cuja elevação de preços passou 0,89% no quarto trimestre de 2006 para aumento de 4,44% no primeiro trimestre deste ano. O grupo Alimentação respondeu por 80% da variação acumulada do IPC-3i no primeiro trimestre. Em 2006, em igual período, esta mesma classe de despesa respondeu por apenas 10% do índice acumulado no primeiro trimestre do ano passado.

A FGV esclarece que esta diferença se deve à alta mais forte, em 2007, dos alimentos in natura, cujas lavouras foram influenciados por mudanças climáticas no período. Entre os destaques, está o segmento de hortaliças e legumes, cujos preços subiram 36,1% no primeiro trimestre. A fundação não acredita, entretanto, na permanência dessa alta de preços nos alimentos in natura, nos próximos meses.

Das sete classes de despesa que formam o indicador, três registraram aceleração de preços, na passagem do IPC-3i do quarto trimestre para o indicador do primeiro trimestre. Além de Alimentação, é o caso de Habitação (de 0,07% para 0,36%); e Saúde e Cuidados Pessoais (de 1,04% para 1,22%).

Já os outros grupos registraram desaceleração ou queda de preços no mesmo período, como Vestuário (de 3,04% para -3,87%); Educação, Leitura e Recreação (de 0,19% para -0,63%); Transportes (de 2,49% para 0,81%) e Despesas Diversas (de 1,55% para 1,30%).

Na análise da movimentação de preços no primeiro trimestre, entre os produtos, as altas mais expressivas foram registradas em tomate (92,39%); plano e seguro saúde (2,15%) e manga (98 97%). Já as mais expressivas quedas foram apresentadas por passagem aérea (-24,64%); maçã nacional (-34,61%) e limão (-27 53%).

O IPC-3i representa o cenário de preços em famílias com pelo menos 50% dos indivíduos de 60 anos ou mais de idade, e renda mensal entre 1 e 33 salários mínimos.