Rio de Janeiro – O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu 0,81% em outubro, quase quatro vezes mais do que a taxa de 0,24% registrada em setembro. De acordo com os dados divulgados nesta terça-feira (07) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o percentual de outubro foi o maior desde março de 2005, quando o índice registrou alta de 0,99%.

Ainda segundo a FGV, a alta do índice foi puxada pelo aumento nos preços no atacado, que contribuem com 60% para a composição total do IGP-DI. Os preços que mais subiram foram das matérias primas brutas (de 1,29% para 5,10%), como a soja em grão (de 0,94% para 9,16%), o milho em grão (de 4,08% para 11,07%) e as aves (de 1,50% para 9,00%).

O custo da construção, que pesa 10% no IGP-DI, subiu de 0,11% para 0,21% puxado pelos reajustes nos preços dos materiais (de 0,17% pra 0,35%) e dos serviços (de 0,25% para 0,37%).

Já os preços ao consumidor, que respondem por 30% do índice, apresentaram recuo em outubro (de 0,19% pra 0,14%). As maiores contribuições para esta desaceleração foram, segundo o comunicado da FGV, a taxa de água e esgoto residencial (de 3,28% para 0%) e a tarifa de telefone móvel ou celular (de 0,55% para 0,27%). Também merecem destaque a queda de preços dos itens álcool combustível (de -2,45% para -5,56%) e gasolina (de -0,02% para -0,53%).