São Paulo – A inadimplência no Brasil registrou queda de 0,68% no primeiro trimestre de 2007 em comparação com o mesmo período do ano passado. Pesquisa da Telecheque, empresa de concessão de crédito no varejo, aponta que, nos três primeiros meses do ano, o índice de cheques sem fundos foi de 2,91% , enquanto em igual período de 2006 ficou em 2,93%.

"O ano de 2007 representa um período marcante para o varejo. Depois do grande estouro do crédito nos últimos anos, em que os consumidores se perderam diante da facilidade de compra e acabaram por extrapolar sua capacidade de envidamento, agora, este mesmo consumidor tem buscado controlar melhor seus gastos e recuperar o equilíbrio de suas finanças", comenta José Antônio Praxedes Neto, vice-presidente da Telecheque.
 
O mesmo comportamento de queda foi registrado no levantamento de cheques fraudados. O primeiro trimestre do ano apresentou declínio deste tipo de transação de 27,27%. Entre janeiro e março de 2007, o índice de fraudes em cheques foi de 0,16%, e no mesmo período do ano passado de 0,22%.

Outra modalidade com significativa baixa foi a de cheques roubados, que apresentou queda de 21,43%. De acordo com a pesquisa, o prejuízo financeiro dos lojistas com cheques roubados representou 0,11% do total das transações no primeiro trimestre de 2007. Já nos primeiros três meses do ano passado ficou em 0,14%.

Com indicador de 0,46%, o volume de cheques sustados também caiu. Neste caso, a baixa foi de 4,17% na comparação com o primeiro trimestre de 2006 (0,48%).

Praxedes ainda destaca que a tecnologia e o aprendizado dos lojistas em relação aos golpes aplicados pelos estelionatários são destaques na redução dos indicadores. "São muitos os recursos atualmente utilizados para conter o avanço das fraudes e o uso inadequado do cheque, como é o caso dos aparelhos de última geração e dos treinamentos direcionados aos lojistas e seus funcionários", complementa o vice-presidente.

Ainda de acordo com o estudo da Telecheque, o consumidor continua optando pelo parcelamento na hora de fazer suas compras com cheques no varejo, que representou 70,58% do total das transações com este meio de pagamento no primeiro trimestre de 2007. No entanto, esta opção de crédito apresentou declínio de 1,48% no país em relação a igual período de 2006 (71,64%).