São Paulo – A inadimplência dos consumidores brasileiros teve alta de 16,3% em julho em relação ao mesmo mês de 2005. No acumulado dos sete meses de 2006, a inadimplência subiu 15,5% na comparação com igual período do ano anterior.

Os dados, divulgados na última quarta-feira (16) pela Serasa, levam em conta apenas pessoas físicas.

De acordo com técnicos da entidade, o crescimento da inadimplência em julho e no acumulado do ano frente aos mesmos períodos de 2005 foi causado pela alta no endividamento do consumidor por causa da expansão da oferta de crédito e do alongamento nos prazos de pagamento.

Segundo a Serasa, em contrapartida, o aumento do salário mínimo, os baixos índices de inflação, a ligeira evolução da renda e do emprego formal diminuíram o impacto negativo do alto endividamento na renda do consumidor. Esse fator contribuiu para o crescimento de 2,6% no indicador de inadimplência entre julho e junho deste ano, um índice considerado baixo pela entidade.

As dívidas com cartões de crédito tiveram o maior peso na inadimplência em julho, com participação de 33,7%, percentual inferior ao  registrado em  julho do ano passado, 34,9%.

Em seguida, estão os cheques sem fundos, que tiveram participação de 31,8% na indadimplência do sétimo mês do ano, percentual também menor ao registrada em julho de 2005, de 32,7%.

As dívidas com os bancos registraram a terceira maior participação no indicador: 31,6%. No mesmo mês de 2005, essa participação foi de 29,8%.