As vendas do comércio varejista em janeiro cresceram 6,09% em relação a igual período em 2003, quando foi registrada queda de 4,33%. O resultado é o maior desde janeiro de 2000. A receita nominal de vendas (faturamento bruto) aumentou 10,24% nessa mesma comparação, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio diviulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As vendas cresceram em 21 das 27 unidades da Federação e o segmento que registrou maior alta foi o de móveis e eletrodomésticos, com 19,62%, taxa influenciada pelas expectativas mais otimistas do cenário econômico. Segundo Nilo Macedo, coordenador de Serviços e Comércio do IBGE, pesaram no resultado as melhores condições de crédito, a inflação estável e os juros mais baixos. “Também devem ser relevados os sinais de desaceleração na queda da renda do trabalhador, cuja recuperação foi de 1,9% de dezembro para janeiro”, acrescentou Nilo Macedo. “O aumento no consumo de bens duráveis está relacionado a uma demanda reprimida desde a época do racionamento de energia, em que as pessoas deixaram de comprar eletrodomésticos para não aumentar o consumo de energia”, disse o coordenador.

No item Vestuário e calçados o aumento de vendas foi de 5,32% e no de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumos, de 2,87%. O único item com queda no volume de vendas em janeiro foi Combustíveis e lubrificantes (-0,59% em relação a janeiro de 2003). No acumulado dos últimos 12 meses a receita nominal cresceu 13,07%, enquanto o volume de vendas ficou negativo em 2,89%.