Com o trabalho de estudantes da Apae e de detentos da Penitenciária Estadual de Maringá (PEM), a Cocamar e o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) colocaram em atividade nesta segunda-feira (20) dois viveiros de produção de mudas de árvores nativas para reflorestamento de matas ciliares nas propriedades rurais. O primeiro, em parceria com a Apae e apoio da prefeitura de Maringá, terá capacidade de produzir 100 mil mudas no ano. O segundo, em conjunto com a PEM, está estruturado para produzir 150 mil mudas.

Muito mais do que um trabalho ambiental, o Projeto Cultivar, como é chamado, se destaca por promover inclusão social e cidadania, segundo o agrônomo Osvaldo Danhoni, gerente ambiental da cooperativa. Fruto de uma parceria entre a Cocamar, o IAP e outras instituições, o projeto é dividido em três situações que prevê a produção de 500 mil mudas este ano, a serem repassadas para os produtores da área de ação da Cocamar.

Além dos viveiros na Apae e na PEM, para atingir a meta de produção de mudas, em dois viveiros do IAP, em Mandaguari e em Engenheiro Beltrão, foram feitas melhorias e contratados dois funcionários para o primeiro e mais um para o segundo, com o apoio da Cocamar e Basf. Isso significará mais 250 mil mudas no ano.

O Projeto Cultivar faz parte também do Programa Estadual de Mata Ciliar da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, iniciado em 2003. ?Nossa meta é implantar 90 milhões de mudas de árvores nativas até o final deste ano?, diz Raska Rodrigues, diretor presidente do IAP estadual.