Com as esperadas deficiências, como falta de ritmo, apresentar um forte cansaço no segundo set e um número grande de erros não forçados – 25 no total – Gustavo Kuerten disse adeus ao Masters Series de Roma, ao perder para o inglês Tim Henman, número seis do mundo, por 6/3 e 6/3. Fora da competição, mas com muitas esperanças de "dar a volta por cima", Guga deu uma entrevista emocionada no Foro Itálico e revelou todo seu desejo de continuar nas quadras do circuito internacional, com prazer e sabor.

"Perdi…mas quero continuar jogando tênis. É o que eu gosto. Adoro competir e sei que ainda posso voltar a jogar no nível dos melhores", afirmou Guga com veemência. "Não fosse assim estaria em casa, curtindo a vida. Mas, depois de três anos difíceis em que sentia muitas dores, com problemas na perna direita e não podia sequer treinar por mais de uma hora e meia, agora estou feliz por poder jogar novamente com gosto e prazer."

Guga, como definiu a imprensa internacional, apresentou flashes de seu jogo de tricampeão de Roland Garros. Durante a partida com Henman revelou muitos altos e baixos. Chegou até a quebrar o bom serviço do inglês – que teve um porcentual altíssimo de aproveitamento de primeiro saque, com 75%, quando uma boa média está em torno de 65% -. Mas faltou regularidade, certeza na aplicação de golpes e cometeu muitos erros. Nada que pareça assustar o tenista.

"Acho que ainda estou com 50% das minhas condições físicas", explicou. "Apesar disso, em alguns momentos mostrei que posso jogar num bom nível. Isso é um bom sinal. Mostra que tenho muito ainda a melhorar." Depois de mais de seis meses afastado do circuito, Guga também deu notícias tranquilizantes e animadoras. "Sinto-me muito, muito melhor do que depois da primeira cirurgia. Estou jogando sem dores e sei que mais cedo ou mais tarde vou reencontrar o meu jogo e ficar mais esperto na quadra."

Na próxima semana, Guga vai para Hamburgo, no último preparativo antes de Roland Garros. Suas esperanças são de que possa avançar algumas rodadas para adquirir o tão importante ritmo. E, com sinceridade, falou também de suas esperanças e perspectivas para o Aberto da França, o seu torneio preferido.

"Este vai ser um ano difícil para mim", admitiu. "A minha diferença com os outros jogadores ainda é grande. Mas para mim, competir é maravilhoso. Mesmo assim não me vejo com muitas chances de em Roland Garros ir além de umas quartas-de-final, ou quem sabe até uma semifinal. Mas quanto mais eu puder jogar, isso vai ser de muito valor para mim e vou dar tudo de mim. Este é o plano. Afinal, não me falta motivação."

Além da derrota de Guga, o tênis brasileiro amargou a eliminação também de Ricardo Mello, que perdeu para o eslovaco Domink Hrbaty por 6/4 e 6/3. Mello, apesar de seguidas derrotas nesta temporada de saibro, está na 53.ª colocação, como número 1 do Brasil. Guga caiu para 110 e Flávio Saretta está em 108.

Em outros jogos da rodada, Andy Roddick eliminou Greg Rusedski por 6/4 e 6/2, enquanto Andre Agassi superou o italiano Alessio Di Mauro por 7/5 e 6/2.