Fabrice Coffrini/AFP

Centenas de agentes de segurança particular protestaram nesta terça-feira antes da partida Brasil-Coreia do Norte no estádio Ellis Park de Johannesburgo, reivindicando melhorias salariais.

Este conflito trabalhista é o terceiro que explode durante o Mundial envolvendo a empresa privada encarregada da segurança, depois dos registrados na segunda-feira, em Durban e na Cidade do Cabo.

Os organizadores do Mundial anunciaram nesta terça-feira que a polícia assumiu a segurança dos estádios de Durban e Cidade do Cabo, segundo informou Rich Mkhondo, do Comitê de Organização Local (LOC) aos jornalistas. “Até nova ordem, a polícia será a responsável pela segurança”, acrescentou.

Os organizadores não ocultaram seu aborrecimento quando os agentes encarregados da segurança da partida Itália-Paraguai, no Green Point da Cidade do Cabo, se declararam em greve três horas antes do início do encontro.

Sua decisão aconteceu apenas algumas horas depois que os trabalhadores do estádio de Durban, contratados pela mesma empresa privada de segurança, enfrentaram a polícia para protestar contra uma redução dos salários.