O Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) prendeu, nesta quarta-feira (23), Gerson Rodrigues, 33 anos, acusado de se apossar, lotear e vender terrenos de uma Área de Preservação Ambiental (APA) na Região Metropolitana de Curitiba. De acordo com as denúncias, o detido teria dividido a área, no Jardim Itaqui, em São José dos Pinhais, em 138 lotes e os vendido por R$ 4 mil cada um. Com mandado de prisão preventiva em mãos, os policiais do Cope prenderam Rodrigues, em sua casa, no Jardim Centauro, em Curitiba.

"Ficamos em campana desde as 6h e conseguimos pegá-lo às 18h, no momento em que chegava em sua casa. A residência era bastante protegida, rodeada por muros com dois metros e meio de altura e vigiada por câmeras", conta o delegado-chefe do Cope, Marcus Vinicius Michelotto.

Segundo as investigações, Rodrigues já havia sido multado pelo IAP em julho de 2004, por vender irregularmente os terrenos na APA. Mesmo assim, o grileiro ainda tentou conseguir na Justiça, através de uma ação de usucapião, a posse da terra. "Nós sabíamos das atividades ilegais deste grileiro e repassamos para a polícia, que resolveu a situação", disse o presidente da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), Alcidino Bittencourt Pereira, que colaborou com a polícia nas investigações.

Para conseguir os "clientes", Rodrigues anunciava a venda dos terrenos em uma rádio AM de Curitiba. "Pessoas de baixa renda compravam os loteamentos e davam em troca carros velhos e outros objetos para quitar a compra, além, é claro, de dinheiro", explicou Michelotto. Pelo menos 20 famílias foram enganadas pelo grileiro e já estavam morando nos terrenos irregulares da Área de Proteção Ambiental (APA).

De acordo com a diretora de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Maria Arlete Rosa, as famílias que estão na área deverão ser removidas. Segundo ela, um estudo está sendo feito, juntamente com a prefeitura da cidade, para disponibilizar um local, onde estas pessoas possam ser relocadas. O delegado orienta as cerca de 20 famílias que compraram os lotes para que entrem com uma ação na Justiça contra o golpista. "Desta forma, elas podem tentar reaver o dinheiro", declarou.

Gerson Rodrigues permanece preso no Cope, mas deve ser transferido para a Delegacia de São José dos Pinhais. Ele foi autuado por estelionato, e pode ser condenado de um a quatro anos de prisão.