O governo federal deverá publicar no início do ano que vem uma portaria que regulamentará os níveis mínimos de eficiência energética dos fogões e fornos a gás comercializados no País. Em audiência pública realizada nesta terça-feira (21) com representantes dos fabricantes de eletrodomésticos, o Ministério de Minas e Energia apresentou sua proposta para a portaria, que prevê que os fogões de duas ou mais bocas precisarão ter pelo menos 56% de eficiência.

Segundo o coordenador-geral de Eficiência Energética do Ministério, Paulo de Tarso de Alexandria Cruz, isso significa que, quando a portaria entrar em vigor, só poderão ser comercializados e fabricados no Brasil os fogões e fornos que transformem em calor pelo menos 56% da energia do gás de cozinha. Na prática, porém, a definição desse nível mínimo de eficiência terá pouco efeito no mercado de fornos e fogões do País, uma vez que, segundo Cruz, menos de 1% dos aparelhos vendidos no Brasil descumpre esse nível de eficiência. O coordenador ressaltou ainda que a regra só valerá para os aparelhos novos.