O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, que atualmente distribui 6 milhões de benefícios do Programa Bolsa Família, vai ampliar as ações de modo a atender mais 2 milhões de famílias até o final do ano.

A informação foi dada nesta quinta-feira pela secretária de Articulação Institucional e Parcerias do ministério, Heliana Kátia Campos, em palestra no seminário internacional sobre direitos humanos, que se realiza no Recife Monte Hotel.

Heliana destacou que serão necessários investimentos de R$ 6 bilhões para levar o programa a novos integrantes. Segundo ela, o ministério também tem projetos na área de inclusão produtiva para as populações de assentamentos rurais, indígenas, quilombolas e catadores de lixo, de modo a garantir capacitação e renda para essas pessoas. As ações serão empreendidas a partir de parcerias com instituições como o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Petrobrás e Banco do Brasil.

A secretária disse que os programas sociais vêm sendo implantados em ritmo acelerado, mas que ainda há muito o que fazer. "Um país que acumula carências históricas como Brasil, exige tempo para suprir todas as demandas", enfatizou.

O seminário promovido pela Fundação Joaquim Nabuco, que reúne parlamentares, líderes comunitários, representantes de governo e de Organizações não governamentais, será encerrado amanhã. Os participantes vão apresentar propostas de ações que promovam a cidadania, como a redução da fome, da violência e da discriminação.