Durante a reunião do grupo Mãos Limpas desta segunda-feira (11), no Palácio Iguaçu, o procurador-geral do Estado, Sérgio Botto de Lacerda, anunciou a possibilidade de o governo criar um fundo de recompensa para pessoas que contribuírem na elucidação de crimes. Essa possibilidade está sendo estudada pelo procurador a pedido do governador Roberto Requião. ?Nós não podemos permitir, no Paraná, que o cidadão de bem seja intimidado por criminosos. O fundo estimula a própria comunidade a combater a violência, através da denúncia?, disse Requião.

Segundo o procurador, o fundo seria criado a partir de uma lei. Os critérios que devem definir como o fundo irá funcionar ainda não foram estabelecidos. O governo do Paraná buscou referências em um projeto similar, apresentado e aprovado em São Paulo. O secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, também conta com a nova medida para esclarecer alguns casos. ?É uma ferramenta a mais no combate ao crime. Quanto mais provas, mais fácil será colocar os criminosos dentro das cadeias?, afirmou.

O fundo de recompensas seria alimentado por doações de pessoas jurídicas e físicas, sem a colaboração financeira do Estado. Em São Paulo, a gestão do fundo é delegada à Secretaria da Segurança e há um limite máximo de recompensa, no valor de R$ 50 mil. O projeto de lei que propõe a criação do fundo no Paraná ainda deve ir à votação, na Assembléia Legislativa.

Delegacia

Durante a reunião, foi anunciada também a criação da delegacia de crimes de menor potencial ofensivo. ?É uma atitude inédita em todo o Brasil e deve centralizar o atendimento a crimes menores, que hoje é feito na maior parte das delegacias?, disse Delazari. A proposta é que a delegacia tenha, em seu quadro, um médico legista e um perito criminal. Segundo o procurador-geral, ?a centralização desse atendimento também vai agilizar bastante o trabalho do juizado especial?. Estão para ser definidos a data e o local da inauguração da nova delegacia.

Escolas

O secretário-chefe da Casa Militar, major Anselmo José de Oliveira, anunciou um estudo que vem sendo realizado pela Polícia Militar em parceria com a Guarda Municipal, com a proposta de integrar a ação da Patrulha Escolar com o Serviço de Proteção Escolar. Com a integração, Estado e município devem evitar a sobreposição de recursos e agilizar o atendimento a escolas.

As equipes também pretendem trocar informações na capacitação dos policiais que atuarão nas patrulhas escolares municipal e estadual. ?Com a integração, as viaturas do Estado poderão atender tanto escolas estaduais quanto municipais. As equipes municipais que estiverem próximas a escolas estaduais também poderão prestar atendimento no local, quando houver necessidade. A intenção é descomplicar e oferecer um atendimento cada vez melhor à comunidade?, afirmou o major Oliveira.