O governo do Estado investiu R$ 12 milhões na educação em 2004. Os recursos foram direcionados à construção de 63 novas escolas, 959 cursos de formação continuada e melhoria salarial dos professores. ?Investir em educação é a obrigação de todo governo sério?, disse o governador Roberto Requião.

Com o Plano de Cargos, Carreiras e Salários, o governo garantiu aos professores um aumento salarial que variou entre 61% e 102% e um ganho médio de 33% em relação ao último reajuste concedido à classe em 1996. Segundo Requião, o Plano foi um compromisso de campanha voltado à melhoria do setor educacional do Estado. ?Mais do que um Plano estamos resgatando a dignidade do magistério. Este é sem dúvida o melhor Plano que os professores do país podem ter?, disse.

Além do reajuste salarial aproximadamente 19 mil professores receberam promoção e progressão funcional, o que representou um investimento de R$ 2.6 milhões. Em outubro de 2004, a Secretaria da Educação repassou a 10.156 professores um aumento, em média, de 5% a 16 % de aumento, que, em alguns casos chegou a 92%. Já em março deste ano, 8.727 professores receberam uma elevação salarial média de 35%.

No início de 2005, também em março, cerca de 1.300 professores aposentados, que concluíram pós-graduação antes da aposentadoria, receberam um aumento médio de 25%, o que representou um investimento de R$ 428 mil.

Ensino Especial

Outro benefício concedido pelo governo à classe foi a equiparação salarial dos professores do ensino especial com os professores do ensino regular. Para isso, houve a liberação de recursos da ordem de R$6,2 milhões para a adequação do convênio firmado entre a Secretaria de Educação e as 363 escolas especiais do Paraná.

Segundo o secretário da Educação , Mauricio Requião, a equiparação possibilitou um acréscimo salarial de 91%, na média, para os professores do ensino especial, com relação aos salários praticados pelo governo anterior. E exemplifica: os professores com licenciatura plena com pós- graduação em educação especial passaram a receber R$ 965,63, quando o salário anterior era de R$ 664,18. Os professores com licenciatura curta com estudos adicionais recebiam R$ 436,71 e passaram a receber R$ 579,37 e os que possuem magistério com estudos adicionais recebiam R$ 379,76 e passaram a receber R$ 540,75.

Houve ainda a abertura de dois concursos públicos, que juntos ofertaram 26.564 vagas ? 5.500 vagas reservadas ao ensino especial, fato inédito no Estado ? para professores na rede pública de ensino, possibilitando assim a substituição de contratos precários como, regime CLT e Processo Seletivo Simplificado (PSS). E neste mês houve a abertura de um concurso com mais de 8.000 vagas para a contratação de funcionários administrativos para as escolas da rede.

Comparando a gestão anterior com a atual as vantagens conquistadas até agora foram inúmeras. Após o reajuste que ocorreu em 1996, os professores receberam, em 2002, apenas um abono no valor de R$ 50,00. Em contraponto, já no início da atual administração ? 2003 – o governo concedeu um abono no valor de R$150,00 enquanto os professores aguardavam a criação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários.