A Secretaria da Saúde investe mais de R$ 7 milhões por mês em medicamentos, dos quais R$ 5 milhões e 500 mil são medicamentos excepcionais de uso contínuo. ?A nossa maior preocupação é com a saúde da população, por isto temos atualmente 22 mil pacientes cadastrados em todo Paraná?, afirmou o secretário Cláudio Xavier.

A distribuição destes medicamentos é feita pela Farmácia Especial da 2ª Regional de Saúde, com sede em Curitiba, e pelas farmácias das outras 21 regionais. A Farmácia Especial da 2ª Regional é responsável por um terço do total gasto em medicamentos especiais no Estado. São atendidas 31 doenças com a distribuição de 164 tipos de medicamentos excepcionais, para mais de nove mil pacientes cadastrados.

Entre os medicamentos mais caros fornecidos pela Farmácia está o Imiglucerase, destinado ao tratamento da doença de Gaucher (doença hereditária degenerativa), sendo que cada frasco custa R$ 1160,00 e cada paciente pode precisar de 15 frascos mensais. Atualmente, no Paraná existem 25 pacientes que recebem este medicamento. O hormônio do crescimento também é bastante procurado na farmácia. O filho da usuária do SUS, Laura Haddad, está recebendo o hormônio do crescimento há dois meses. ?O gasto mensal com o tratamento particular era de R$ 1.200,00, e se não passássemos a receber o hormônio da Secretaria da Saúde teríamos que interromper o tratamento. Como o medicamento é de uso contínuo, ao interrompê-lo poderia ocorrer grande prejuízo?, afirmou.

A farmácia é responsável por aproximadamente R$ 2,5 milhões em investimentos mensais nos medicamentos especiais de uso contínuo distribuídos para os usuários. O valor é bem maior do que o investimento nos anos anteriores. Em 2003 o custo médio mensal era de R$ 1,9 milhão e em 2002 não passou de R$ 1,5 milhão. ?Os valores aumentam porque a demanda tem sido maior, mesmo assim estamos conseguindo diminuir gradativamente o tempo de espera?, afirmou a diretora da 2ª Regional de Saúde, Marinalva Gonçalves da Silva.

Ela explica que o tempo de espera médio tem sido de uma hora e meia, tempo menor que as duas horas consideradas aceitáveis pelo Ministério Público em acordo com a Farmácia. Para Marinalva, isto se deve à informatização total da Farmácia Especial. ?Todo o cadastro dos pacientes está no computador, facilitando muito o trabalho dos funcionários e agilizando o atendimento dos pacientes?, disse.

Outro fator que contribui para a diminuição do tempo de espera é a descentralização da distribuição. ?Os pacientes de hemodiálise passam a receber este mês o medicamento diretamente no local onde fazem o tratamento, não precisando se deslocar até a Farmácia Especial. Inicialmente, 250 pacientes estão sendo beneficiados, através de um convênio com a Fundação Pró-Renal?, explica. ?Queremos promover a descentralização dos maiores municípios da região metropolitana, por número de pacientes?, completa.