Praça de pedágio em Maringá.

O governo do Estado espera por notificações judiciais para retirar os militantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) das praças de pedágio. A Viapar foi a primeira a obter na Justiça uma liminar a um mandado de reintegração de posse para que os manifestantes deixassem a praça denominada presidente Castelo Branco, a primeira a ser ocupada no início da manhã.

No início da tarde, o Secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, disse que o governo somente iria agir se as empresas obtivessem respaldo judicial para desocupar as praças ou se houvesse depredação de patrimônio. Como as ocupações foram aumentando ao longo do dia, o secretário posicionou-se novamente no final da tarde, desta vez, afirmando que a ação dos integrantes do MST estava causando uma ?grande perturbação? , gerando ?preocupação e cautela? por parte do comando da Polícia Militar.

No início da tarde, o diretor geral da ABCR (Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias), João Chiminazzo Neto, protocolou na Secretaria de Segurança a Delazari um ofício solicitando a intervenção do governo. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)