O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, informou há pouco que o governo editará uma medida provisória entre os dias 29 e 30 de março para garantir o aumento do salário mínimo a partir de 1º de abril caso o Congresso Nacional não aprove até aquela data o projeto de lei que reajusta de R$ 300,00 para R$ 350,00 o valor do mínimo.

Marinho reconheceu que é muito difícil que o Congresso consiga aprovar o projeto até a próxima semana. "Teremos de editar uma medida provisória mas, evidentemente, que isso é um constrangimento político para o Congresso", disse o ministro. Segundo ele, o reajuste do salário mínimo foi proposto ao Congresso por meio de projeto de Lei a pedido dos próprios parlamentares, apesar de historicamente a correção do mínimo ter sido determinada por medida provisória. Ao ser questionado sobre as razões para o Congresso não aprovar o reajuste do mínimo, Marinho disse que está faltando ao Congresso Nacional trabalhar mais no que seja realmente de interesse da sociedade.

"Estão perdendo tempo com assuntos que não têm valor para a sociedade brasileira", disse, ao citar como exemplo o trabalho da CPI dos Bingos que, atualmente, investiga denúncias contra o ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Marinho criticou também a demora na aprovação do orçamento. "A oposição está trabalhando para estrangular o governo", disse.