Um dia após a divulgação da nova lista de parlamentares acusados de envolvimento com a máfia dos sanguessugas, a maioria ligada aos partidos da base aliada, o governo federal contra-atacou hoje com dados que comprometem também a oposição nas denúncias. A divulgação dos números foi feita com estardalhaço em entrevista coletiva concedida pelos ministros Márcio Thomaz Bastos, da Justiça e Jorge Hage, da Controladoria Geral da União (CGU).

Os dados do governo se baseiam num cotejamento, feito pela CGU, sobre um total de 3.048 compras de ambulâncias para municípios, no período de 2000 a 2005, com recursos de emendas de parlamentares. Desse total, 891 compras, ou quase 30% do total, foram direcionadas para a Planam, empresa que operava as fraudes. O estudo revela que 681 compras faturadas para a Planam dois terços do total, ocorreram no governo Fernando Henrique e apenas 210 no governo Lula. Só em 2002, último ano do governo anterior, foram liberadas para a empresa 317 faturas de ambulância, 51,54% de todas as emendas aprovadas no período em todo o País para este item. O governo também levantou os partidos dos prefeitos envolvidos na compra das ambulância e a grande maioria é de oposição.