O governo deve anunciar ainda hoje, durante a Mesa Nacional de Negociação Permanente, uma proposta de reajuste para os servidores públicos federais. Segundo o ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, o governo está preparando uma proposta. ?Os sindicatos podem contar com a abertura do governo, obviamente limitado pelas questões orçamentárias?, disse ontem.

De acordo com a primeira-secretária da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Denise Motta, o maior problema é a limitação orçamentária. Segundo o Ministério do Planejamento, a União dispõe de apenas R$ 1,5 bilhão para o reajuste do funcionalismo. Denise Motta disse que a CUT vai pedir aumento de, no mínimo, 50% e mais a correção das distorções. Para atender à reivindicação, o governo precisaria de mais R$ 1 bilhão em caixa.

Na última reunião da Mesa Nacional de Negociação Permanente o governo sinalizou três situações que podem fazer parte da proposta de hoje. A primeira é que todos os servidores federais (ativos e inativos) teriam aumento linear de 2,67%. A segunda é de aumento linear menor e ainda conceder uma espécie de abono mensal, de valor fixo. A última seria aumento diferenciado por categoria, repassado na forma de gratificação de desempenho.