Poderia ter sido uma noite de reação espetacular. Mas o empate no final, depois da vantagem por 3 a 1 para o Palmeiras, deixou Marcos irritado. O goleiro saiu de campo bravo com quase todo mundo – só poupou Osmar, autor dos dois primeiros gols do time.

‘Foi horrível! Estávamos ganhando e sofremos o empate’, lamentou e ainda deu alfinetada nos repórteres. ‘No meio da semana, vocês me elegeram como o pior em campo (derrota por 2 a 1 para a Ponte). Então, vão agora entrevistar quem foi o pior de hoje.

O zagueiro Dininho seguiu linha idêntica à de Marcos e se mostrou frustrado. ‘Não sei por quê, mas recuamos muito’, observou. ‘Infelizmente cedemos o empate. O saldo positivo foi que fizemos três gols.

Já Edmundo descobriu que a imprensa é culpada pela série de três jogos sem vitória – começou com 1 a 1 com o Barueri, no domingo passado, também no Palestra Itália. O veterano atacante, que fez o gol de pênalti, não comentou os 3 a 3.

‘Não tenho nada para falar’, disse, carrancudo. ‘Vocês querem criar problemas’, como se fossem os repórteres que chutam bolas para o gol ou desperdiçam chances ou levam gols.

Osmar passou ao largo das críticas e abrandou a desconfiança dos torcedores. Ele não ficou em campo o tempo todo, pois cedeu lugar para Leandro, mas ganhou Marcos como seu principal defensor. ‘O Osmar é um grande centroavante’, disse o pentacampeão mundial. ‘Não só pelos gols que marcou, mas a gente vê nos treinos que pode fazer muito pela nossa equipe.

O Palmeiras adotou a numeração fixa no Paulista e Caio Júnior teve a certeza de que Osmar tinha condição de ser o 9. E não se arrepende. ‘O primeiro tempo foi muito bom. Correu, marcou os zagueiros e foi ótimo na frente’, disse o técnico.

Para o atacante, foi uma partida maravilhosa. Principalmente o primeiro tempo. ‘Foi muito importante ter começado daquele jeito’, reconheceu. ‘Os dois gols nos deixaram mais confiantes.’ Osmar também se inspirou em Edmundo. ‘É bom ver um cara vencedor como ele com tanta disposição.