O presidente nacional do PT, José Genoino, voltou a repreender a senadora Heloísa Helena (PT-AL) em nome da unidade do partido. Ao mesmo tempo, fez um apelo para que a ela reveja “suas críticas e, principalmente, suas atitudes”.

Desde a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Heloísa tem se indisposto com o PT. No sábado, não foi à votação da Mesa Diretora do Senado por discordar da indicação de José Sarney (PMDB-AP) para a presidência da Casa.

A ausência foi recebida pela cúpula do PT como uma afronta. Para Genoino, não ir a uma sessão por discordar da direção do partido é “uma posição cômoda”. “No PT, o direito de opinião é livre, mas a ação é de unidade. Ela pode criticar o quanto quiser, mas não pode faltar a uma sessão”, julga Genoino. “O PT não é um aglomerado de pessoas. Se cada um agir por si só, não há partido.”

Hoje, o presidente do PT voltou a responder à afirmação da senadora que disse que é “a lembrança amarga da história do PT”. “Repito que ela não é depositária da história do PT que, aliás, não é amarga.”

A intensidade dos atritos entre Helena e o PT aumentam dia a dia. Nos bastidores do partido, a avaliação é que a senadora, com declarações furiosas contra o governo, está se esticando demais a ponto de tornar insustentável sua permanência no partido.

Genoino, no entanto, garante não compartilhar desta visão. Questionado se estaria fazendo um convite público para que a senadora deixasse o partido, ele foi claro: “Meu convite é para que ela fique e vou me esforçar para isso. Continuo apelando para que ela reveja certas críticas e, principalmente, suas atitudes. Estou apenas defendendo os estatutos do PT”.

O presidente do PT adiantou que não pretende procurar a senadora para uma conversa particular. “Vou discutir o assunto com a bancada de senadores. Com ela, só falo na reunião da executiva nacional, da qual ela faz parte.”