O presidente nacional do PT, José Genoino, reiterou hoje críticas aos partidos
que fazem oposição ao governo Luiz Inácio Lula da Silva. Em entrevista ao portal
da legenda na internet, ele disse, em referência, principalmente, ao PSDB, que
os opositores adotam uma postura irresponsável e a prática do "quanto pior
melhor", termo criado pelos tucanos quando o PT fazia oposição ao governo do
ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso.

"A oposição,
principalmente alguns líderes do PSDB, está adotando a postura de
irresponsabilidade política, demagógica, de vivandeiras da crise, de arautos do
quanto pior, melhor. São fariseus porque não falam nada do que está acontecendo
em Rondônia, com o envolvimento de deputados do PSDB e do PFL e do próprio
governador do PSDB", comentou o dirigente petista, em referência ao afastamento
de sete deputados estaduais de Rondônia, que apareceram em reportagem do
programa "Fantástico", da TV Globo, pedindo propina ao governador Ivo Cassol
(PSDB).

Genoino também voltou a rebater as declarações feitas no fim de
semana pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e por Fernando
Henrique Cardoso. No sábado, FHC disse que o governo Lula está sem rumo e, no
domingo, Alckmin acusou o PT de "tergiversar, em vez de prestar contas".
"Esquecem que, em São Paulo, o governo do PSDB não permitiu instalar 44 CPIs
(Comissões Parlamentares de Inquérito), que no governo FHC houve várias
denúncias como a da reeleição e a dos grampos do BNDES (Banco Nacional de
Desenvolvimento Econômico e Social), que não foram apuradas", acusou.

O
presidente do PT negou que o momento atual de ataques oposicionistas possa
ameaçar a governabilidade e observou que as dificuldades enfrentadas são
"pontuais" e fazem parte da democracia. "O País está funcionando normalmente,
com resultados altamente positivos nas áreas econômica e social. O governo está
agindo com iniciativa e determinação e o Congresso Nacional está votando
matérias importantes", comentou.

Quanto ao processo de eleições internas
petistas iniciado neste fim de semana, em São Paulo, com o lançamento de sete
candidaturas à presidência nacional do partido, o presidente da legenda destacou
a iniciativa do PT e limitou-se a dizer que vai dialogar com os militantes sobre
os desafios que tem pela frente. "O PT é o único partido que faz eleições
diretas para seus dirigentes. Será realizado um debate democrático com condições
iguais para todas as chapas e todos os candidatos", comentou