Funcionários da Embrapa
distribuíram sementes de
bracatinga como forma de protesto.

Os funcionários da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) paralisaram suas atividades hoje. Segundo a presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário (Sinpaf), Selma Lúcia Beltrão, somente na sexta-feira decidirão, em assembléia, se entrarão em greve.

De acordo com a presidente do Sinpaf, 85% dos 8,5 mil funcionários da estatal estão parados. Já o chefe de gabinete da Embrapa, Gerson Barreto, informa que a adesão ao movimento é de 50%. ?Os serviços essenciais estão funcionando normalmente, como os laboratórios, por exemplo?, disse Barreto.

Os trabalhadores da estatal reivindicam reajuste salarial linear de 26%, com base na inflação de maio de 2003 a abril deste ano. A proposta do governo é de um a aumento de 3%.

Os funcionários reivindicam ainda recuperação de perdas acumuladas, geradas pela inflação de 1996 até abril deste ano, de 36%, e aumento do valor dos tickets de alimentação de R$ 11 para R$ 16. Eles querem também ampliação do adicional de titularidade para funcionários com especialização e aumento de 20% para 30% para mestres e de 30% para 50% para doutores.

Atualmente, os salários iniciais são de R$ 2.667,06 para pesquisadores, R$ 1.316,83 para técnico de nível superior, R$ 1.025 para nível médio e R$ 463,55 para nível operacional (leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná).