O candidato à presidência da Câmara Gustavo Fruet (PSDB) manifestou neste sábado (20) a intenção de pedir à Casa que convoque o ex-deputado federal Marcos Lima, chefe da Assessoria Parlamentar do Ministério das Relações Institucionais, para esclarecer sua função no governo federal e seu relacionamento com parlamentares. "Quero convocá-lo para que explique se o trabalho dele de diálogo com os deputados visa à eleição da Câmara", disse. A declaração foi feita após encontro em Porto Alegre para "tomar chimarrão" com a governadora Yeda Crusius.

Questionado sobre a possibilidade de Lima utilizar a liberação de emendas ao Orçamento para interferir na disputa, o tucano respondeu: "Por isso vou convocar o deputado Marcos, para que explique se esse diálogo com deputados visa algum tipo de liberação de verbas ou de tratamento diferenciado.

Fruet fez um apelo para que a população fique atenta à escolha do presidente da Câmara e verifique se haverá distribuição de cargos como pagamento por votos. Ele citou especificamente o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit) como alvo de possíveis nomeações.

Ao defender seu nome como alternativa real na disputa, Fruet insistiu que a presidência da Câmara não precisa necessariamente ser ocupada por uma pessoa alinhada ao Executivo. "Nos Estados Unidos, Nancy Pelosi assumiu a Câmara em oposição ao governo Bush e ninguém questionou se vai haver desestabilização", disse o deputado, em referência à presidente democrata da Câmara norte-americana.

Fruet também foi recebido pelo senador Pedro Simon (PMDB-RS) no balneário Rainha do Mar, no litoral gaúcho. Apesar de evitar dizer abertamente que apóia o tucano, Simon foi generoso nos elogios. "Sua candidatura agora surpreendeu aqueles que estavam com medo de que a divisão do governo entre dois candidatos traria um novo Severino", disse Simon. "Dessa vez aconteceu o contrário. Surgiu um nome de primeira grandeza e que deu nova vida ao Congresso.