Desde o início do ano, o Fome Zero arrecadou R$ 2,024 mi em dinheiro doado por pessoas, empresas e parceiros do programa. Em janeiro o valor não chegava a R$ 200 mil.

O dinheiro é depositado na conta do Fundo de Erradicação da Pobreza e Combate à Fome, do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, nas agências da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil em todo o país (o BB também mantém contas do Fundo em 7 cidades do exterior).

As empresas parceiras do Fome Zero no Brasil já somam 99, entre pequenas, médias e de grande porte. Para participar, basta que a empresa apresente um projeto que dure toda a gestão do atual governo. A Coca-Cola se destaca pela continuidade do apoio oferecido. O projeto da empresa visa a construção de 27 restaurantes populares em todas as capitais brasileiras, garantindo ainda o custeio de manutenção dessas unidades. A Aracruz Celulose preferiu fazer uma doação em dinheiro: R$ 1 mi, no final de fevereiro.

No ano passado, foram doados R$ 7,293 mi ao Fundo de Erradicação da Pobreza e Combate à Fome. O dinheiro foi usado na construção de 5.100 cisternas na região semi-árida do nordeste brasileiro. A utilização dos recursos arrecadados em 2004 ainda não está definida. A decisão é tomada por um conselho presidido pelo Ministro Patrus Ananias, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, e deverá ser definida num prazo de 2 meses.