Quatro estabelecimentos comerciais foram fechados pela Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) realizada na terça-feira (20), no Centro e no Sítio Cercado, em Curitiba. Dois bares e uma pensão não tinham alvará de funcionamento emitido pela Prefeitura. Uma boate foi fechada por desvio de função e o proprietário responderá um inquérito por favorecimento à prostituição.

Participaram da operação cerca de 30 policiais militares, 10 policiais civis e 20 guardas municipais, além de equipes do Corpo de Bombeiros, da Secretaria Municipal de Urbanismo, Fundação de Ação Social (FAS) e Vigilância Sanitária.

A equipe fiscalizou dez estabelecimentos comerciais. No Sítio Cercado, onde a operação começou por volta das 15 horas, dois bares e uma pensão foram fechados por falta de alvará. A proprietária de um dos bares responderá a termo circunstanciado por desobediência, já que relutou em fechar o estabelecimento. Uma boate foi indiciada por favorecimento à prostituição. ?Descobrimos que a casa cobrava R$ 10,00 dos clientes para o uso dos cômodos para fazer os programas com as moças?, revelou o coordenador da Aifu pela Polícia Militar, tenente Olavo Vianei Nunes.

Após a operação no Sítio Cercado, a equipe da Aifu foi até o centro da cidade para fiscalizar os ônibus que chegavam no terminal do Guadalupe, na Avenida Marechal Deodoro e na Praça Tiradentes. ?Recebemos denúncias que criminosos vinham armados da Região Metropolitana para assaltar veículos no centro da cidade no fim da tarde e resolvemos fazer vistoria em ônibus?, explicou o tenente. Segundo ele, essa fiscalização continuará sendo feita, para coibir este tipo de crime.

Além dos ônibus, a Aifu também fiscalizou no Centro alguns bares próximos ao terminal Guadalupe e também nas ruas Saldanha Marinho e Ermelino de Leão. Uma pessoa foi detida e responderá a termo circunstanciado por uso de tóxico. ?Durante toda a operação, revistamos mais de 400 pessoas, como uma medida preventiva para encontrarmos armas, entorpecentes e foragidos da Justiça?, relatou o delegado Clóvis Galvão, que coordenou a ação pela Polícia Civil.

As Ações Integradas de Fiscalização Urbana são realizadas pelo menos três vezes por semana em Curitiba e Região Metropolitana, planejadas pelas Polícias Militar e Civil. Eles escolhem os pontos críticos das cidades para combater a criminalidade e tentar regularizar, em parceria com as prefeituras, a situação de estabelecimentos comerciais em desacordo com a lei e que favorecem o crime com atividades ilícitas.