O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES),
Guido Mantega, afirmou hoje que as linhas de financiamento voltadas
especificamente para o setor elétrico poderão ficar entre R$ 8 bilhões e R$ 10
bilhões, caso a demanda neste segmento gere projetos viáveis. Lembrando que esse
valor ficou em R$ 6 bilhões em 2004, ele destacou que o financiamento no setor
elétrico tem sido visto como prioridade para assegurar o crescimento da economia
brasileira.

Apesar de ter concentrado suas declarações na área de
energia, Mantega voltou a destacar uma abundância de recursos para o
financiamento do setor industrial este ano. "Do ponto de vista dos recursos do
BNDES, praticamente não há limites, tanto para o setor industrial, quanto às
áreas prioritárias que o governo definiu como, por exemplo, bens de capital,
máquinas e equipamentos." O presidente do BNDES lembrou que o banco possui R$ 21
bilhões para a área de infra-estrutura e classificou o setor elétrico como
detentor de uma posição privilegiada nestes financiamentos. "Nós sabemos que não
haverá crescimento sem energia elétrica", disse.

"Se faltar energia, a
economia falha." Mantega disse ainda que o BNDES está se preparando para atender
a demanda da ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, e criar uma linha de
crédito específica para a área energética, com vistas a criar as bases para o
novo leilão que ocorrerá neste segmento. Ele destacou que o banco ainda não
possui uma previsão de amplitude desta linha. O presidente do BNDES participou
hoje de um seminário promovido pela Associação Brasileira de Infra-estrutura e
Indústrias de Base (Abdib) para discutir formas de financiamento para a expansão
do setor elétrico.