Com divergências entre os próprios integrantes, o conselho da coalizão governista começará a discutir na quinta-feira a reforma política dos sonhos do Planalto. A polêmica proposta do fim da reeleição para cargos do Executivo opõe até mesmo os dois principais ministros envolvidos na discussão: Tarso Genro (Justiça) e Walfrido Mares Guia (Relações Institucionais).

Escalado para expor o tema ao conselho político, Tarso defende a aprovação de emenda constitucional impedindo presidente, governadores e prefeitos de disputar o segundo mandato consecutivo. Sucessor de Tarso na articulação política do Planalto, Mares Guia acha, porém, que o melhor é manter a reeleição como está. ?Mas política é conversa e não tem hora para acabar. Como diz o Chacrinha, esse programa só acaba quando termina?, afirma o ministro de Relações Institucionais, bem-humorado. ?Sou muito falante e estou me disciplinando para poder ouvir mais todos os argumentos.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não quer que o governo assuma a paternidade da proposta. Na prática, deseja o fim da reeleição e o aumento do mandato de quatro para cinco anos, a partir de 2010, mas avalia que, antes de tudo, é preciso negociar com tucanos e aliados. A estratégia governista é deixar que o PSDB entre em acordo com seus dois potenciais candidatos à Presidência – os governadores José Serra, de São Paulo, e Aécio Neves, de Minas – para só depois apoiar publicamente a proposta.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo