O Festival de Teatro de Curitiba, considerado o evento mais importante do seu gênero no país, está em sua 24ª edição. Neste ano, ele contará com mais de 420 espetáculos, que serão encenadas entre os dias 24 de março e 05 de abril, e os ingressos podem ser encontrados no seu site oficial.

Entre as peças da mostra principal da edição de 2015 do Festival, estão sete estreias nacionais: “Post Scriptum”, “OE”, “Abnegação 2”, “Meu Saba”, “Fishman”, “Ensaio Para Um Adeus Inesperado” e “SPon SPof Spend”.

Com temáticas e locais de origem variados, as peças atraem públicos diversos. A produção “Post Scriptum”, possui texto e direção de Samir Yazbek e dramaturgia de Hélio Cícero, e aborda o conflito entre palestinos e israelenses através de uma família radicada no Brasil.

Espetáculo “Post Scriptum” Foto: Divulgação

A família da trama não é tradicional: o pai é palestino e muçulmano, e a mãe é libanesa e cristã ortodoxa. O primogênito é brasileiro muçulmano, enquanto o caçula é brasileiro católico. O trabalho foi realizado pela Companhia Teatral Arnesto nos Convidou, estabelecida em São Paulo.

Já a produção “OE” trata-se de um espetáculo solo de Eduardo Okamoto. A peça foi inspirada na obra do escritor Japonês Kenzaburo Oe, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 1994, focando, principalmente, no livro “Jovens de um novo tempo despertai!”. Para preparar-se para esse espetáculo, Okamoto fez um estágio no Kazuo Ohno Dance Studio, no Japão.

Outra estreia que acontecerá no Festival é a peça “Abnegação II- O Começo do Fim”. O grupo paulistano Tablado de Arruar encena a segunda parte da trilogia homônima, iniciada em 2014, que tem como temática as relações de poder dentro de um partido político.

Espetáculo “Abnegação II- O Começo do Fim” Foto: Divulgação

Nessa segunda parte, a trama traz cinco personagens ligadas à estrutura deste poder, em que cada uma se encontra diante de uma situação que poderá gerar consequências terríveis.

A produção “Meu Saba” é mais uma das sete estreias nacionais que acontecerão durante o evento. Ela foi baseada no livro de Noale Ben-Artzi Pelossof, intitulado “Saba- Em Nome da Dor e da Esperança”.

A peça conta a história da autora e de seu avô, o então primeiro ministro de Israel, Yitzhak Rabin, assassinado por um israelense contra o movimento da paz. O espetáculo foi dirigido por Daniel Herz, e tem Clarissa Kahene como protagonista.

O grupo cearense Bagaceira de Teatro retorna ao Festival de Teatro para comemorar seus 15 anos, com o espetáculo de estreia “Fishmann”. Nessa peça, eles buscam adensar a sua linguagem própria, provocando uma reflexão sobre o que é produzido no Nordeste.

A produção curitibana “Ensaio Para um Adeus Inesperado” possui texto de Sérgio Roveri e direção de José Simões e Jean Carlos Sanches. A apresentação aborda questões existenciais que se desdobram nas narrativas de uma mãe e de um filho, ambos enfrentando momentos difíceis. O espetáculo marca os 20 anos da companhia Pé no Palco Atividades Artísticas.

A última peça da lista de estreias do Festival se chama “SPon SPof Spend”. A produção marca os 10 anos do grupo Maracujá Laboratório de Artes, e a sua primeira vez com um diretor convidado, Fernando Escrich.

A história apresenta dois, planos narrativos. No primeiro, encontra-se uma comunidade de mendigos que habita um viaduto de São Paulo. No segundo, se localiza uma equipe que está produzindo um filme com o tema de uma sociedade formada unicamente por mendigos.

Os ingressos estão disponíveis no site oficial do Festival: www.festivaldecuritiba.com.br