Bem-humorado, o técnico da seleção de Portugal, Luiz Felipe Scolari, defendeu o técnico do Corinthians, Geninho, derramou-se em elogios ao goleiro Rogério Ceni, do São Paulo, e se recusou novamente a falar sobre a contratação do técnico Dunga para a seleção brasileira, durante entrevista coletiva concedida hoje, em São Paulo.

Sobre a crise do Corinthians, Felipão disse que mudar de técnico está longe de ser a solução adequada. "Geninho deve ficar e ter tranqüilidade para fazer seu trabalho. É um grande técnico e sair dessa situação é uma questão de tempo", afirmou, citando o São Paulo como exemplo de clube que montou uma estrutura que se manteve mesmo com a troca de técnico, de Paulo Autuori por Muricy Ramalho.

O técnico contou ainda que o capitão do São Paulo, Rogério Ceni, o ajudou muito durante a Copa de 2002, quando levou a seleção brasileira ao pentacampeonato mundial, e se disse estar feliz pelo bom momento do goleiro, que ajudou o time a chegar a mais uma final de Libertadores. "Sou fã dele, pena que logo vai ter de parar porque está ficando sem cabelo como eu", brincou.

Assim como havia feito numa entrevista concedida em Caxias do Sul, Felipão não quis comentar os jogadores convocados por Dunga para defender o Brasil em sua estréia na seleção, no dia 16, em Oslo, contra a Noruega. "Se o Dunga fizesse alguma análise da seleção portuguesa eu mandaria ele para o inferno. De repente ele também me mandaria para o inferno", ironizou.

Felipão passa alguns dias no Brasil antes de retomar o trabalho na seleção portuguesa, quarta colocada na Copa do Mundo. A equipe disputa um amistoso contra a Dinamarca, no dia 1.º de setembro, em Copenhague, e cinco dias depois estréia nas eliminatórias da Eurocopa contra a Finlândia, em Helsinque.