O movimento político Fatah, do presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, denunciou hoje a ação dos militantes islâmicos que entraram em choque com soldados libaneses em um campo de refugiados palestinos nos arredores de Trípoli, no norte do Líbano, e negou que exista alguma conexão entre os dois grupos.

Os choques entre soldados libaneses e militantes do Fatah Islam, uma organização extremista que teria laços com a rede Al-Qaeda, resultou na morte de pelo menos 27 militares e 20 rebeldes entre ontem e hoje. Há ainda um número desconhecido de vítimas entre a população civil do campo de refugiados de Nahr el-Bared.

"O grupo chamado Fatah Islam nada tem a ver com o movimento Fatah nem com facções palestinas, além de não fazer parte da Organização para a Libertação da Palestina (OLP)", informou o grupo de Abbas em sua página na internet. "O Fatah recomenda à população refugiada nos campos de Beddawi e de Nahr el-Bared que isole esse grupo", prosseguia o comunicado.

O Fatah Islam tomou o controle de diversas instituições palestinas no campo de refugiados de Beddawi, diz a mensagem. O Fatah palestino é favorável à "preservação da soberania e da unidade do Líbano" e denuncia tentativas de interferência em assuntos internos libaneses.