Brasília – A falta de mão-de-obra especializada para o manuseio de frutas e verduras durante o fornecimento a supermercados, restaurantes e bares tem contribuído para o desperdício de alimentos no Brasil. Por conta disso, parte desses produtos chega danificada à mesa dos brasileiros. De acordo com a organização não-governamental (ONG) Prato Cheio, cerca de 30% dos alimentos, que poderiam ser utilizados de outra forma, vão para o lixo após a compra.

Segundo a gerente-geral da ONG, Miriam Ferrari, a organização combate o desperdício nos centros urbanos. Ela ressalta, entretanto, que o processo de perda de produtos tem início logo após a colheita, na zona rural. Os alimentos são encaixotados de qualquer forma e em recipientes não apropriados. ?Ninguém está preocupado em aperfeiçoar esse serviço e, quando [o alimento] chega às cidades, as caixas são jogadas. Os alimentos são tratados de qualquer forma e, por isso, ficam amassados e danificados?, afirma Miriam.

O que a ONG Prato Cheio pretende é justamente tentar acabar com o desperdício de produtos alimentícios, estimulando a doação, pelos comerciantes e pela população, em geral. No entanto, Miriam lembra que a intenção é fugir do cunho assistencialista e. por isso, a Prato Cheio também oferece cursos sobre manipulação, estocagem e higienização de alimentos, além de cursos de culinária, nos quais se ensina a aproveitar ao máximo a comida.

?Levar o alimento para a pessoa é estar conivente com uma situação de comodismo. A partir do momento em que se criam cursos de capacitação, estamos ensinando as pessoas a não desperdiçar quando chega o alimento. Além disso, fazer com que as pessoas repassem os conhecimentos para o resto da comunidade é um ato de cidadania e de transformação social?, afirma.

A ONG Prato Cheio atende 29 instituições. Os alimentos doados são avaliados por um nutricionista, que supervisiona a qualidade dos produtos para o consumo. Segundo Miriam, isso assegura doações, principalmente, de comerciantes. ?Eles ficam inseguros por conta de uma lei que aponta o comerciante como responsável por qualquer dano causado a pessoa que comer alguma comida e passar mal?.

Um projeto de lei conhecido por Estatuto do Bom Samaritano, que aguarda votação no Congresso Nacional, tem como proposta transferir a responsabilidade civil e criminal dos doadores para as entidades beneficiadas.