Com o racionamento de água que começou na última sexta-feira em Curitiba, o consumidor deve estar atento às condições de higiene de bares e restaurantes. A Vigilância Sanitária, da Prefeitura de Curitiba, informa que intensificou a fiscalização, para evitar situações críticas que prejudiquem o consumidor. Restaurantes, bares e similares devem providenciar estoques de água para banheiros e cozinha. Isso pode ser feito com a contratação de caminhões-pipa ou a estocagem de água, quando o fornecimento estiver normalizado.

Em hipótese alguma estes locais devem ficar sem água. Caso isso ocorra, o consumidor deve denunciar à Vigilância Sanitária para tomar providências que vai da multa à interdição do local. "O consumidor é o melhor fiscal. Deve denunciar o estabelecimento que não ofereça higiene, tanto nos sanitários como na cozinha. Em caso de suspeita, a melhor saída é procurar outro local", afirma a coordenadora da Vigilância Sanitária, Rosana Zappe. As denúncias devem ser feitas pelo telefone 156.

Unidades de Saúde –

Vale lembrar que o corte de água é por 26 horas, mas que a normalização pode demorar até quatro horas. A determinação da Sanepar é de que, durante o racionamento, terão prioridade unidades de saúde e creches, desde que tenham menos de 1/3 da capacidade reservatória.

As unidades afetadas devem entrar em contato com a Sanepar, que providenciará o envio de caminhões-pipa, no prazo de duas horas após o pedido. A orientação da Sanepar vale para todo o período de racionamento, que deve durar 75 dias.

O racionamento também é uma preocupação no atendimento das unidades de saúde. Apesar de possuírem grandes caixas d?água, o risco de faltar água existe e, por isso, as autoridades sanitárias do município adotaram algumas medidas, como redução do consumo, estoque de água e, se necessário, a contratação de caminhões-pipa. Também há atenção especial a possíveis vazamentos, torneiras mal fechadas e válvulas de sanitários com defeitos.