Um homem que se apresentava como agente da Polícia Federal foi preso nesta sexta-feira (13) em Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba, acusado de aplicar golpes estimados em um total de R$ 100 mil. Iratã de Paula Machado, de 34 anos, telefonava para as vitimas e se apresentava pelo nome de Alex Bicudo. Ele dizia que era da Polícia Federal e que tinha a função de oferecer produtos de leilões com descontos. As vítimas retornavam a ligação e Machado confirmava a história, ganhando a confiança das pessoas. Depois de três meses de investigações, ele acabou preso em sua própria casa, em Pindamonhangaba.

O estelionatário tinha uma extensa ficha policial e atuava como estelionatário há sete anos. "Ele confessou que vivia disso, que era praxe enganar as pessoas", afirmou o delegado responsável pelas investigações Marcelo Duarte Ribeiro. Machado oferecia produtos como eletrodomésticos, eletrônicos e até carros conseguidos em supostos leilões com descontos de até 80%. "Eram carros que não existiam, de quarenta mil, vendidos por dez mil", conta o delegado.

As vitimas caiam na conversa do falsário e faziam os depósitos, mas não recebiam os produtos. Depois de receber reclamações ele desligava o telefone e desaparecia. Somente em Taubaté, nos últimos três meses, pelo menos quinze pessoas caíram no golpe, segundo levantamento da polícia. "Um prejuízo de cerca de cem mil reais", revelou o policial.

A polícia chegou até o estelionatário depois de investigar as contas bancárias da mãe dele. Machado usava o nome e a conta corrente da mãe, Luiza Nunes Bicudo, que também segundo a polícia, não estava envolvida no crime. "Ela escreveu uma carta pedindo que o filho devolva o dinheiro às vítimas. Por enquanto não está provada a participação dela".