As exportações paranaenses totalizaram US$ 699 milhões em maio. O resultado representa um recuo de 22,51% em relação ao mesmo período de 2005, quando o estado exportou  US$ 902 milhões. Em relação ao mês de abril último, quando as exportações totalizaram US$ 784 milhões, a queda é de 10,82%. As importações em maio chegaram a US$ 301 milhões. Com isso, a balança comercial fechou o mês com um superávit de US$ 397 milhões. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e foram divulgados nesta terça-feira (20).    

De acordo com análise do Centro Internacional de Negócios (CIN) e do Departamento Econômico da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep),  os dados de maio reforçam o que vem acontecendo nos últimos meses: uma progressiva redução do valor exportado tanto em dólares quando em reais. Comparando as exportações de janeiro a maio de 2006 com o mesmo período de 2005, o resultado em dólar ficou 5,77% menor e em real a queda chega a 21,09%, com base no dólar médio mensal do período, divulgado pelo Banco Central.

Na avaliação do presidente da Fiep, Rodrigo da Rocha Loures, o recuo das exportações reflete a situação adversa provocada pela política cambial desfavorável. ?Não temos um ambiente que favoreça as exportações e os resultados desta política equivocada vêm aparecendo mês a mês nos números da balança comercial?,  declara. 

Avaliando as exportações por grupos de produtos, verifica-se que a queda no faturamento das exportações foi menor nos produtos manufaturados. Comparando os cinco primeiros meses de 2006 com o mesmo período de 2005, houve um aumento de 2,68% nas exportações em dólar e uma queda de 13,98% em reais. Já as exportações de seminafaturados e básicos caíram tanto em dólar quanto em real. As vendas ao exterior de semimanufaturados recuou 35,72% em real e 23,37% em dólar e a exportação de produtos básicos ficou 29,52% menor em real e 15,76%$ menor em dólar.

?Exportar produtos com maior valor agregado tem sido um dos rumos da economia paranaense. Essa prática, que só trás benefícios e maior lucratividade representou parte significativa das exportações paranaenses no período de janeiro a maio deste ano?, destacou o secretário de Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho. Ele cita como exemplo as exportações de motores de explosão, cuja exportação cresceu 19,1% em relação a 2005. De acordo com o secretário, também destacam-se os injetores para motores diesel, com alta de 31,65% e automóveis para transporte de 10 ou mais pessoas, que teve um aumento de 117%.

Considerando os quatro principais grupos de produtos ? material de transporte, soja, carnes e madeiras – (que representam mais de 70% do valor exportado pelo estado), o desempenho das exportações foi negativo em todos, com exceção de material de transporte que cresceu 2,05% em dólar. Mas, este mesmo item recuou 15,98% em real. O resultado da exportação de soja recuou 31,24% em real e 16,28% em dólar. A exportação de carnes caiu 22,41% em real e 6,25% em dólar e as vendas ao exterior de madeira ficaram 21,96% menores em real e 5,09% menores em dólar. Estes dados referem-se à comparação de janeiro a abril de 2006 com igual período de 2005 (os dados referentes a maio ainda não estão disponibilizados).