O ex-diretor do Banco Central, Ilan Goldfajn, elogiou a decisão do presidente Lula de fortalecer o Banco Central, equiparando o presidente Henrique Meirelles ao status de ministro de estado, com direito a foro privilegiado, só podendo ser processado no Supremo Tribunal Federal (STF). “Foi uma manifestação importante de apoio ao atual presidente, Henrique Meirelles, mas eu vejo principalmente como um apoio à instituição, o que é muito relevante”, comentou Goldfajn à Agência Estado.

Na sua avaliação, a questão do foro privilegiado deveria ser ampliado também para os diretores do BC, mas ele admite que isso “talvez seja mais complicado”. Segundo Goldfajn, para que o BC possa exercer bem as suas atividades é fundamental que “tenham tranqüilidade, o que não vinha ocorrendo nas últimas semanas”.

Goldfajn defende que “o ideal” seria discutir a questão da autonomia do Banco Central. Mas como isso “não está na agenda atual”, a solução encontrada pelo governo foi “muito bem recebida”. “Dentro do possível, foi a melhor medida possível”, enfatizou.