O ex-assessor do PMDB e ex-integrante do Conselho de Administração da Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional, advogado Roberto Bertholdo, foi condenado pela 2.ª Vara Federal Criminal de Curitiba a 5 anos e 3 meses de prisão, em regime semi-aberto. Bertholdo é acusado de ter feito interceptação clandestina do telefone do juiz federal Sérgio Moro. O ex-assessor do PMDB, ex-integrante da Usina Hidrelétrica Itaipu e advogado também foi condenado a pagar uma multa de cerca de R$ 576 mil. Bertholdo está preso desde 4 de novembro.

A denúncia foi proposta pelo Ministério Público Federal (MPF). Por considerar a pena muito branda, o MPF anunciou que apelará da sentença. Recentemente, numa reportagem da Revista "Veja", ele foi apontado como um dos operadores do "mensalão", investigado no Congresso. Em depoimento à Polícia Federal (PF), Bertholdo acusou o deputado José Janene (PP-PR) e o doleiro Alberto Youssef, de Londrina (PR), de "alimentarem 80% do sistema de corrupção no Brasil". Janene e Youssef negaram as acusações.