Trinta e cinco por cento dos softwares instalados em computadores pessoais de todo o mundo eram pirateados em 2004. A informação é do Estudo Global da Pirataria de Software, realizado pela empresa privada de pesquisas IDC e divulgado no Brasil pela Associação Brasileira de Empresas de Softwares (Abes) e pela Business Software Alliance (BSA).

O percentual representa queda de 1% em comparação a 2003. Mesmo assim, os prejuízos globais com a pirataria chegaram a US$ 33 bilhões.

Os maiores índices de pirataria foram observados no: Vietnã (92%), Ucrânia (91%), China (90%), Zimbabwe (90%) e Indonésia (87%). Os menores foram registrados: nos Estados Unidos (21%), Nova Zelândia (23%), Áustria (25%), Suécia (26%) e Reino Unido (27%).

Para o estudo, foram realizadas cerca de sete mil entrevistas em 23 países. Além disso, foi usado o acompanhamento direto de informações de vendas e pesquisas privadas em 60 países e o trabalho de analistas do IDC em 50 países.

A empresa informou que leva em consideração a distinção entre softwares livres de pagamentos de direitos autorais e softwares partilhados gratuitamente (sharewares), além de distinguir softwares para plataformas que rodam, ou não, com sistemas proprietários da Microsoft.

No entanto, eles consideram piratas os softwares obtidos em sites de compartilhamento, que são chamados no jargão informático de P2P (sigla para a expressão person to person, pessoa para pessoa).